top of page

Contag celebra 60 anos de luta pela reforma agrária e pela igualdade

Criada em 20 de dezembro de 1963, Contag foi a primeira entidade sindical camponesa nacional reconhecida legalmente e se destaca pela defesa dos direitos dos agricultores brasileiros.


A Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag) completa, no próximo dia 20 de dezembro, 60 anos de luta pelos direitos dessa categoria fundamental para o país, pelo acesso à terra e à igualdade. Para celebrar esse marco, foi realizada uma sessão solene nesta terça-feira (28), na Câmara dos Deputados.


“O cenário de fundação da Contag era de ausência de Estado brasileiro para os homens e mulheres do campo. Quando o Estado chegava, era através da repressão da luta pela terra e por direitos”, disse Aristides Santos, presidente da Contag, durante a sessão.

Ele lembrou que a entidade nasceu da união de diversas forças, como as Ligas Camponesas, sindicatos, associações de lavradores e federações, entre outras. “A Contag representa os sonhos e a luta de muitos homens e mulheres do campo e de várias organizações”, completou.


O deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA), vice-líder do governo Lula, destacou que são “60 anos de história e de muita luta e resistência — estas são as marca da Contag, dos trabalhadores do campo”. Ele lembrou que a entidade foi criada meses antes do golpe militar de 1964 que tinha, entre seus objetivos, acabar com a democracia e com as reformas de base, entre elas a agrária.

“Somos um dos poucos países do planeta que não fez a reforma agrária e este é um dos motivos de tanto atraso. É inadmissível que, ainda hoje, tenhamos tanta gente passando fome, inclusive no campo, quando temos o potencial de produzir todos os alimentos necessários para os brasileiros e para parte do mundo. Este é um dos desafios que devemos enfrentar”, acrescentou.


Frutos da resistência

Ao Portal Vermelho, a secretária de Mulheres da Contag, Mazé Morais, salientou que essa celebração “é muito significativa para todas nós, mulheres do campo, da floresta e das águas que sempre estivemos na luta desses movimentos, mas que tivemos nossa história muitas vezes invisibilizada”.

Durante todo esse período de 60 anos, disse, “tivemos muitas adversidades, mas mesmo assim eu acho que o Contag fez brotar a solidariedade, o espírito de combate e a integração entre nós, que fazemos a agricultura familiar e que sempre acreditamos na luta e na possibilidade da vitória. Nossa resistência, nossa coragem, nos trouxeram até aqui. Aliás, em muitos momentos, nesses 60 anos de história, resistir era a única alternativa que a gente tinha”.

Ele lembrou como alguns dos principais legados da Contag a Marcha das Margaridas, o Grito da Terra e o Festival da Juventude. Além disso, apontou, “o movimento sindical de trabalhadores e trabalhadoras rurais, sob a coordenação da Contag, apresentou proposições para o enfrentamento das principais questões que desafiam o Brasil, como a erradicação da fome, as injustiças climáticas, a crise ambiental, a violência e a desigualdade social”.


Foto: Gabriel Paiva


Para ela, “enquanto os trabalhadores rurais não tiverem terra, enquanto a agricultura familiar não for fortalecida, não tem como a gente conquistar um país livre da fome. Por outro lado, quando a gente tem uma agricultura familiar forte, a organização da produção, conseguimos ter um país com menos desigualdades e violência”.


História de lutas

Fundada em 20 de dezembro de 1963, a Contag foi a primeira entidade sindical camponesa de caráter nacional reconhecida legalmente. Atualmente, coordena um sistema composto por 27 federações estaduais e mais de quatro mil sindicatos de trabalhadores e trabalhadoras rurais, representando a luta pela garantia, manutenção e ampliação de direitos de mais de 15 milhões de agricultores e agricultoras familiares, segundo o Censo Agropecuário de 2017. De acordo com a própria confederação, após a instauração da ditadura militar, a Contag sofreu intervenção e “o presidente Lyndolpho Silva e demais diretores foram presos imediatamente, o mesmo acontecendo com outras lideranças sindicais rurais nos estados e municípios. Algumas, inclusive, foram brutalmente torturadas e assassinadas”.


Os trabalhadores e trabalhadoras rurais voltaram a comandar a Contag sem interferência do regime militar em 1968 com a vitória do grupo liderado por José Francisco da Silva e foi acelerado o processo de organização e formação política sindical da categoria trabalhadora rural.


Figuram entre suas principais bandeiras de luta o fortalecimento da agricultura familiar; o acesso à terra e a reforma agrária; as políticas públicas estruturantes; políticas sociais para o meio rural; paridade de gênero; sucessão rural; fortalecimento dos sujeitos do campo, florestas e águas; agroecologia; preservação e conservação ambiental; combate à violência no campo e direitos dos assalariados rurais.


Texto: Priscila Lobregatte


Comentários


Daniel_Logo_2023.png
bottom of page