Deputado critica corte em programa que leva água potável ao Nordeste

Corte orçamentário na operação Carro-Pipa deixa 1,6 milhão de pessoas sem água no semiárido nordestino.


Por: Christiane Peres, com informações do UOL


O deputado federal Daniel Almeida usou as redes sociais para criticar o corte nos recursos da operação Carro-Pipa. Matéria divulgada pelo UOL, denuncia que após a eleição o governo Bolsonaro cortou a verba do programa neste mês, prejudicando 1,6 milhão de pessoas que direito ao abastecimento em novembro em oito estados do Nordeste.


“Há 20 anos a operação Carro-Pipa atua no Nordeste levando água potável, elemento essencial para a nossa sobrevivência. De forma cruel, Bolsonaro corta os recursos para milhares de nordestinos. Inaceitável! A seca é uma realidade e precisa ser combatida”, condenou o parlamentar.


A operação Carro-Pipa, do governo federal, leva água potável às famílias no semiárido nordestino há mais de 20 anos. A medida vale para o Nordeste e cidades do semiárido do Espírito Santo e Minas Gerais. Os locais atendidos são, em regra, comunidades que não têm acesso à água potável próxima e, em épocas de seca, ficam com as cisternas ou caixas de água secas, sem condições de ter acesso à água limpa.


Com o corte dos recursos, os caminhões pararam o fornecimento de água potável a moradores do semiárido nordestino. Segundo planilha do Exército, que coordena a operação, 1,6 milhão de pessoas estão prejudicadas.


A operação é financiada com recursos do Exército em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). Segundo o UOL, as Pastas confirmaram que a suspensão ocorreu por falta de verbas para continuidade. O MDR informou que alertou o Ministério da Economia sobre a falta de recursos, mas não sem retorno.

Pela regra do programa, cada família tem direito a 20 litros de água por dia a cada integrante assistido. Ou seja, se a casa tem cinco moradores são 100 litros diários.

marca-horizontal-2.png