Prêmio Clementina de Jesus valoriza promoção da igualdade racial e combate ao racismo

"Moro na roça iaiá, nunca morei na cidade, compro o jornal da manhã pra saber das novidades". Impossível ouvir esses versos e não lembrar da sambista Clementina de Jesus, cantora negra que só iniciou a vida artística com 63 anos de idade. Para exaltar essa grande voz brasileira, o deputado federal Daniel Almeida (PCdoB) apresentou o Projeto de Resolução 86/2021 que institui o Prêmio Clementina de Jesus para homenagear pessoas, organizações sociais, instituições ou empresas empenhadas na promoção da igualdade racial e no combate à discriminação racial e ao racismo.

O prêmio será conferido pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias e pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados na forma da concessão de diploma aos agraciados. Serão concedidos até cinco prêmios por ano. A entrega será realizada em Sessão Solene da Câmara dos Deputados, na semana do dia 20 de novembro, em homenagem ao Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra.

Na sessão da Câmara dos Deputados desta quarta-feira (9), durante votação do intercâmbio entre países de língua portuguesa, o parlamentar homenageou a cantora, que completaria 120 anos de idade no último dia (7). "Clementina de Jesus foi uma expressão da cultura brasileira, que teve na sua essência a identidade africana. Quero aproveitar para cobrar que esta Casa a aprovação do Projeto de Resolução 86/2021, de minha autoria, que procura estabelecer uma homenagem a pessoas e instituições que se dedicam e que têm serviços relevantes prestados na luta para a superação do racismo, que infelizmente é estrutural e está presente no nosso país", concluiu.

Clementina de Jesus é natural de Valença, no Rio de Janeiro, nasceu apenas 13 anos após a abolição, descendente de escravizados e alforriados. Trabalhou como empregada doméstica e lançou seu primeiro disco, Cangoma Me Chamou, em 1966 e o último registro fonográfico, O Canto dos Escravos de 1982, trouxe a voz de seus ancestrais reunindo cantos de trabalho de garimpeiros escravizados de Diamantina (MG).

marca-horizontal-2.png